Buscar
  • Gilberto Marçal

Governo do AM libera eventos sociais, circos e parques de diversão e amplia horário para shoppings

Comitê de Enfrentamento à Covid-19 decidiu manter a restrição do horário de circulação de pessoas de 0h às 6h por mais 15 dias





O Comitê Intersetorial de Enfrentamento à Covid-19 decidiu, durante reunião nesta sexta-feira (30/04), manter a restrição do horário de circulação de pessoas entre 0h e 6h por mais 15 dias.


A partir da próxima segunda-feira (03/05), os shoppings poderão funcionar das 9h às 22h, de segunda a sábado, e das 11h às 18h, aos domingos. As praças de alimentação desses centros de compra passarão a funcionar nos mesmos horários dos shoppings centers.


Em relação às instituições de ensino superior privadas, com o ajuste do decreto, ficará facultado o funcionamento para os dois anos finais dos cursos e, também, aulas práticas, desde que observem os protocolos de segurança. As autoescolas ficarão autorizadas a ministrar aulas práticas.


Outra novidade é que será permitida a realização de eventos sociais até as 23h, com capacidade de ocupação dos espaços de até 50%, limitado à quantidade máxima de 100 pessoas, sem cobrança de ingresso e sem pista de dança.


O detalhe é que esses eventos poderão ser realizados somente mediante aprovação da vigilância sanitária municipal, cumprindo protocolos de prevenção específicos.


Restaurantes, bares que funcionam como restaurantes, lanchonetes e similares passarão a ter ampliação no horário de funcionamento aos domingos, das 7h às 18h.


As academias e esportes de todas as modalidades poderão funcionar das 6h às 22h, de segunda a sábado, com aulas coletivas somente em ambientes abertos.


OUTRAS MUDANÇAS

Circos– Poderão funcionar com ocupação limitada a 50% e garantida a livre circulação de ar, adotando-se todas as medidas de prevenção necessárias.


Parques de diversão– Podem operar somente em ambiente aberto, com ocupação máxima de 50% e mediante aprovação da vigilância sanitária dos municípios.


Trabalho presencial– Fica permitido o retorno ao trabalho de todos os vacinados com duas doses, após o cumprimento do período pós-vacina estabelecido.


REUNIÃO DO COMITÊ

As mudanças foram apresentadas e debatidas com representantes dos demais poderes e órgãos de controle, e começam a valer a partir da próxima segunda-feira (03/05). O governador Wilson Lima destacou que as medidas adotadas pelo comitê, neste momento de desaceleração dos casos da doença no Amazonas, visam a recuperação econômica, sobretudo a preservação dos empregos.


“Nós estamos fazendo algumas adaptações nos nossos decretos com o objetivo de garantir o funcionamento de algumas atividades que são fundamentais do ponto de vista de geração de emprego e renda, principalmente daqueles trabalhadores que foram muito prejudicados desde o início da pandemia”, disse o governador Wilson Lima.


Segundo o diretor-presidente da Fundação de Vigilância em Saúde (FVS-AM), Cristiano Fernandes, a tendência é de redução, porém, ele frisou que a população precisa seguir com maior rigor as restrições sanitárias, especialmente o uso de máscaras para barrar a transmissão do vírus.

“Lembrando que nós não estamos livres da doença, então a gente ainda precisa manter as medidas de prevenção, o uso de máscara, higienização das mãos, evitar locais com aglomeração. Nós precisamos evitar uma nova alça epidêmica, evitar que novas tragédias aconteçam nas nossas famílias. Cada um precisa fazer sua parte apesar dos dados mostrarem uma redução importante, tanto em relação a casos como em relação a óbitos”, destacou o presidente da FVS.


Ele informou que a taxa de transmissão (RT) atualmente está em 0.89. Isso significa que de cada 100 infectados poderão transmitir para outras 89 pessoas. É a terceira menor taxa de transmissão do país.


Mais de 20% da população prevista na fase atual do Plano Nacional de Imunização (pessoas acima de 18 anos) já foi vacinada, segundo o presidente da FVS. Nos últimos 14 dias, houve redução de 32% na redução da média móvel de casos no estado. Também houve queda de 26% em relação à redução da média móvel de mortes no Amazonas no mesmo período.


Fonte:DeAmazônia

0 visualização0 comentário